MEMÓRIAS

 

«Acção Socialista», 19 de Junho de 1980

MARCELO CURTO DÁ ZERO AO GOVERNO AD

O comunicado Grupo Parlamentar do PS denunciando que a AD em pânico tinha encurtado a sessão da Assembleia da República para fugir à crítica democrática era uma das manchetes da edição de 19 de Junho de 1980 do «Acção Socialista».

Para além de uma completa informação sobre as actividades do PS de norte a sul do País, que tinham como pano de fundo a luta contra o Governo da AD e a preparação das eleições legislativas, o órgão oficial do PS dava destaque às importantes intervenções dos camaradas António Arnaut, Vítor Constâncio e Marcelo Curto.

Falando no Parlamento durante uma interpelação ao Executivo da AD sobre política social, o camarada Vítor Constâncio criticava o Governo de centro-direita de ter «desperdiçado uma oportunidade de melhorar a repartição do rendimento nacional».

O camarada António Arnaut acusava o Governo da AD de destruir diplomas sem melhorar o Serviço Nacional de Saúde. Já nessa altura a Direita mostrava o seu desprezo pelo sector público da saúde. Afinal, para a Direita a saúde pode ser um negócio, por isso há que privatizá-la.

Defensor desde sempre dos direitos dos trabalhadores, o camarada Marcelo Curto, numa intervenção na AR, dava um «zero absoluto» ao Governo da AD em matéria de política laboral e de emprego.

Afinal eram os primeiros passos da ofensiva da Direita contra os direitos laborais que tiveram o seu age com Cavaco Silva com a proliferação do trabalho precário e dos recibos verdes que (ainda?!) permanecem.

(JCCB)

 

QUEM DISSE?

«Em matéria de política laboral e de emprego, este Governo atinge o zero absoluto em realizações e o enfatuamento total em matéria de demagogia e eleitoralismo.»

Marcelo Curto